Dicas para não comprar um ‘carro de enchente’

Início » Dicas para não comprar um ‘carro de enchente’

Dicas para não comprar um ‘carro de enchente’

O verão é a estação mais esperada do ano: época das férias, descontração e viagens, mas também o período que mais chove no País. Em vários locais, já se tornou comum ver carros boiando ou sendo arrastados pelas enchentes. E, muitas vezes, após nadarem nas águas da chuva, esses mesmos carros são colocados à venda, não sem antes, claro, passar por uma maquiagem. Empresas oferecendo serviços de embelezamento é o que não falta!
Antes de comprar um carro de enchente, e entrar em um casamento compulsório, sem direito a separação amigável, é importante namorar bem o veículo, tendo intimidade o suficiente para descobrir o que há debaixo da possível maquiagem e colocando todos os sentidos para funcionar.
O primeiro sentido é o olfato, afinal, o sinal mais evidente para se identificar um carro de enchente é o mau cheiro semelhante ao de um cachorro molhado ou de uma casa de praia. A água penetra nas espumas dos bancos e não seca facilmente. Mesmo após algum tempo, ainda é possível notar o odor, por isso, sachês que perfumam o interior do veículo costumam ser usados para mascarar o efeito.
Há alguém que irá se lembrar das empresas citadas acima que, a cada dia, se especializam mais na higienização de veículos. Aí é que entra a visão. É possível achar barro e impurezas depositadas em lugares poucos expostos como na frente do radiador, no painel, dentro das laterais de porta ou por baixo do veículo (rolamentos, amortecedores, suspensão etc). Muitas pessoas costumam andar com o manual do proprietário no porta luvas, dê uma olhada para ver se possui o mesmo número de chassi do carro e se as folhas não estão enrugadas ou sujas.
Outra marca indisfarçável deixada pela água são as ferrugens. A primeira parte a ser checada é o assoalho, o primeiro a sofrer com a ação da água. Confira se os carpetes e a forração sob eles não estão descolados ou estufados, o que significa de que encharcaram e secaram. Ou então se não estão novinhos em folha num veículo bem rodado. Isso pode ser um indício de que foram trocados recentemente.
Faróis e lanternas oxidados também costumam denunciar que o carro passou por uma enchente. Além desses, outros inúmeros acessórios e dispositivos podem entregar a informação como: macaco, trilhos dos bancos dianteiros, cofre do motor, porta-malas, peças e parafusos em geral enferrujados ou até dispositivo retrátil do cinto de segurança emperrando.
A parte elétrica do veículo também deve ser observada e apresentar bom funcionamento, inclusive velocímetro, marcador de combustível e luzes em geral. Confira se há alguma luz de advertência do painel que fica acesa constantemente.
Por fim, coloque a audição para funcionar. Ruídos de rolamento no compartimento do motor indicam que a água pode ter retirado a graxa de dentro deles, assim como ruído ao pressionar o pedal de embreagem.
Outro indício determinante e fácil de ser checado é puxar a vareta do óleo do motor, se apresentar coloração esbranquiçada é sinal claro de que houve mistura de água e óleo.
 

Redação Despachante.com

2012-11-30T12:33:22+00:00 novembro 30th, 2012|Carro|4 Comentários

4 Comentários

  1. Mariana Despachante.com 17 de Janeiro de 2014 em 10:49 - Responder

    Acácia,
    Para que o veículo não fique em seu nome, você deve fazer também a transferência da dívida para a sua filha na financeira. Somente assim consegue fazer a transferência também do veículo. Caso contrário, se não transferir a dívida, você não consegue transferir o automóvel.
    Obrigada,
    Equipe Despachante.com

  2. joao 1 de julho de 2014 em 20:35 - Responder

    boa noite comprei um carro semi novo mas estou des comfiado que e de enchente o vidro estava agarrando e as borracha tem barro vermelho

    • Equipe Despachante.com 2 de julho de 2014 em 09:44 - Responder

      Leve o veículo para fazer uma vistoria e verifique se o mesmo já enfrentou enchentes.
      Obrigada,
      Equipe Despachante.com

  3. Marcos Vilela 22 de setembro de 2017 em 19:07 - Responder

    Olha, se o valor de venda do carro mais tudo o que você terá de gastar para recuperá- lo compensar… ou seja, for menor do que o valor de compra de um mesmo veículo em boas condições, pode compensar. Tem que estar disposto a gastar tempo e dinheiro para recuperar os danos causados em parte elétrica, eletrônica se tiver, estofamentos e até motor.

Deixar Um Comentário